Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Home Office: um desafio para o mundo corporativo

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Enquete

Os profissionais do nosso setor, tem dificuldades na indicação de lojas de material de construção para seus clientes. O que você espera que uma loja proporcione?





Ver todos os resultados

 

Discussões no Fórum

Terreno com olho d'agua

Terreno com olho d'agua

Terreno com olho d'água.

Procuro designer de interiores rj

Armário de cozinha, como escolher?

Em Exercício Profissional (veja mais 118 artigos nesta área)

por Eng. Maçahico Tisaka

Supersimples na construção civil: vale a pena aderir?



O governo está sempre mudando o sistema de tributação, quase sempre com a intenção de arrecadar mais impostos. A última criação é a opção pelo SUPERSIMPLES, que pode ser ou não vantajoso para cada empresa, dependendo do caso. Analise as informações a seguir para ver em que caso ela se encontra.
Várias lideranças da Construção Civil mantiveram uma intensa movimentação para incluir o setor no programa chamado Supersimples Nacional para microempresas e empresas de pequeno porte que teriam como objetivo simplificar os procedimentos de abertura e fechamento de empresas e gozar de reduções tributárias nos três níveis da Administração.

Depois de muita expectativa, em 14 de Dezembro de 2006 foi finalmente sancionado pelo Presidente da República a Lei Complementar nº 123 instituindo o novo Estatuto Nacional da Micro Empresa - ME e da Empresa de Pequeno Porte - EPP, em substituição ao Simples Federal e Simples Estaduais.

Portanto, a partir de 1º de julho de 2007, estará unificada em uma única Norma denominado “Simples Nacional” ou “Supersimples”, com aplicação em dois níveis de progressão:
a) Estatuto das MEs e EPPs., e,
b) Regime Tributário Simplificado.

O que significa essa progressão? A empresa que quiser gozar do Regime Tributário Simplificado terá que, necessariamente, mudar o estatuto para ME ou EPP, conforme sua receita bruta anual seja, respectivamente até R$ 240.000,00 ou R$ 20.000,00 mensais e igual ou inferior a R$ 2.400.000,00 ou R$ 200.000,00 mensais.

Porém nem todas as empresas que mudarem seus estatutos para MP ou EPP, terão o direito de gozar do Regime Tributário Simplificado, devido a uma série de restrições estabelecidas em Lei.

A Regulamentação da Lei deverá sair até 1º de julho deste ano de 2007, a ser expedida pelo Comitê Gestor, mas a adesão poderá já ser feita naquilo que for auto aplicável.

Porque então essa distinção? É o que veremos a seguir:

1 - Tratamento diferenciado para fins do estatuto das MEs e EPPs

Aqueles que desejarem aderir ao novo Estatuto das MEs e EPPs deverão alterar seu contrato social acrescentando obrigatoriamente as letras ME ou EPP no final de sua Razão Social e terão as seguintes vantagens:

• Benefícios de simplificação documental, unicidade processual, dispensa de exigências documentais e de licenças de funcionamento, dispensa de regularidade tributária e pesquisa prévia simplificada para registro dos contratos, dispensa do visto de advogado nos contratos, prazos e taxas menores de abertura e encerramento de empresas, etc.;

• Preferência em algumas licitações públicas;

• Para aderir ao Estatuto de MEs e EPPs, existem uma série de vedações estabelecidas na Lei;

• Observadas as condições anteriores, qualquer empresa tributada com base no Lucro Real ou Lucro Presumido poderá aderir ao Estatuto das MEs e EPPs, obedecidos os limites de faturamento anual;

• Observadas as condições anteriores, poderão aderir ao Estatuto das MEs e EPPs, os corretores de seguros, representantes comerciais, as empresas de consultoria ou de locação de mão de obra, as sociedades de advogados, de médicos, de dentistas, etc., mesmo que tais atividades estejam impedidas de aderir ao Regime Tributário Simplificado.

É Interessante observar que embora a Lei tenha estabelecido os tipos de serviços permitidos, podem ser estendidos às outras atividades, desde que não estejam explicitamente vedados. É o caso das atividades de projetos, os quais, não estando explicitamente vedados, presume-se que possam gozar dos benefícios tributários da Lei.

2 – Tratamento Tributário Diferenciado
Aqui é que surge verdadeiramente o chamado “Supersimples” ou “Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte”, com as seguintes regras (art. 16 ) a seguir:

• A opção pelo Simples Nacional já enquadrada na condição de ME ou EPP, dar-se há na forma a ser estabelecida pelo Comitê Gestor;

• A opção pelo Simples Nacional, deverá ser no mês de janeiro, salvo quando do início das atividades.

• Serão consideradas automaticamente inscritas no Simples Nacional as micro empresas e empresas de pequeno porte optantes do Regime Tributário anterior, salvo aqueles impedidos de optar por alguma vedação imposta pela Lei Complementar.

• Para fins de ingresso no Regime Tributário Diferenciado, será concedido parcelamento da dívida em até 120 parcelas mensais e sucessivas.

O Regime Tributário Simplificado tem como objetivo a unificação do recolhimento dos impostos federais (PIS/COFINS/IRPJ/CSLL/IPI/INSS) , Estados ( ICMS), Distrito Federal ( ICMS/ISS) e Municípios (ISS ), de acordo com as tabelas de alíquotas relacionadas nos anexos I, II, III, IV e V.

Construção civil

As empresas de construção civil que atenderem os requisitos do Estatuto das MEs e EPPs e tiverem faturamentos, respectivamente, até R$ 240.000,00 e R$ 2.400.000,00 anuais no exercício de 2006, poderão também aderir ao Regime Tributário Simplificado de acordo com a tabela Anexo IV da Lei, que tem as alíquotas unificadas para tributos e contribuições federais e municipal, mais o recolhimento do INSS à parte.

Tabela ANEXO IV - Serviços com recolhimento de INSS à parte

RECEITA BRUTA em 12 meses R$

SOMA DOS SEGUINTES IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES
IRPJ CSLL COFINS PIS ISS SOMA INSS
Até 120.000,00 0,00% 1,22% 1,28% 0,00% 2,00% 4,50% +INSS
De 120.000,01 a 240.000,00 0,00% 1,84% 1,91% 0,00% 2,79% 6,50% +INSS
De 240.000,01 a 360.000,00 0,16% 1,85% 1,95% 0,24% 3,50% 7,70% +INSS
De 360.000,01 a 480.000,00 0,52% 1,87% 1,99% 0,27% 3,84% 8,49% +INSS
De 480.000,01 a 600.000,00 0,89% 1,89% 2,03% 0,29% 3,87% 8,97% +INSS
De 600.000,01 a 720.000,00 1,25% 1,91% 2,07% 0,32% 4,23% 9,78% +INSS
De 720.000,01 a 840.000,00 1,62% 1,93% 2,11% 0,34% 4,26% 10,26% +INSS
De 840.000,01 a 960.000,00 2,00% 1,95% 2,15% 0,35% 4,31% 10,76% +INSS
De 960.000,01 a 1.080.000,00 2,37% 1,97% 2,19% 0,37% 4,61% 11,51% +INSS
De 1.080.000,01 a 1.200.000,00 2,74% 2,00% 2,23% 0,38% 4,65% 12,00% +INSS
De 1.200.000,01 a 1.320.000,00 3,12% 2,01% 2,27% 0,40% 5,00% 12,80% +INSS
De 1.320.000,01 a 1.440.000,00 3,40% 2,03% 2,31% 0,42% 5,00% 13,25% +INSS
De 1.440.000,01 a 1.560.000,00 3,86% 2,05% 2,35% 0,44% 5,00% 13,70% +INSS
De 1.560.000,01 a 1.680.000,00 4,23% 2,07% 2,39% 0,46% 5,00% 14,15% +INSS
De 1.680.000,01 a 1.800.000,00 4,60% 2,10% 2,43% 0,47% 5,00% 14,60% +INSS
De 1.800.000,01 a 1.920.000,00 4,90% 2,19% 2,47% 0,49% 5,00% 15,05% +INSS
De 1.920.000,01 a 2.040.000.00 5,21% 2,27% 2,51% 0,51% 5,00% 15,50% +INSS
De 2.040.000,01 a 2.160.000,00 5,51% 2,36% 2,55% 0,53% 5,00% 15,95% +INSS
De 2.160.000,01 a 2.280.000,00 5,81% 2,45% 2,59% 5,00% 5,00% 16,40% +INSS
De 2.280.000,01 a 2.400.000,00 6,12% 2,53% 2,63% 0,57% 5,00% 16,85% +INSS
OBSERVAÇÕES
1 - A expectativa do setor era de que o INSS fosse incluída na alíquota única para fins de recolhimento, fato que não aconteceu no caso da Construção Civil.
2 - A atividade de elaboração de projetos não estando explicitamente vedados para fins de enquadramento nos benefícios , podem também optar pelo recolhimento previsto na Tabela IV.


Análise das diversas situações das empresas

1 - Empresas optantes do Lucro Real - também podem aderir ao estatuto das MEs e EPPs e gozar do Regime Tributário Simplificado, da Tabela IV desde que estejam dentro dos limites de faturamento global e não estejam excluídos do Sistema. As vantagens ou não da adesão depende da análise do balanço e do percentual do lucro líquido obtido e portanto, de difícil comparação.

2 - Empresas optantes do Lucro Presumido – Devem ser consideradas duas situações diferentes:

Prestação de Serviços com fornecimento de material (caso de obras):

Recolhimento antes da adesão: PIS/COFINS = 3,65%, IRPJ = 1,2%, CSLL = 1,08% , ISS de 5%, dependendo da M.O. utilizada ( base Município de São Paulo ).. Total de 7,93 à 10,93 %

Renda Bruta em 12 meses

Lucro Presumido (1)

Alíquota

%

Adesão ao Super Simples

Mínimo

Máximo



Até 120.000,00

7,93

10,93

4,50

Muito vantajoso

120.000,01 a 240.000,00

7,93

10,93

6,50

Vantajoso se ISS '< 3%

240.000,01 a 600.000,00

7,93

10,93

8,49 a 8,97

Vantajoso se ISS < 4 %

600.000,01 a 960.000,00

7,93

10,83

9,73 a 10,76

Duvidoso - Analisar as taxas que compõe a alíquota do ISS (*)

960.000,00 a 1.200.000,00

7,93

10,83

11,51 à 12,00

Desvantajoso (*)

1.200.000,01 a 2.4000.000,00

7,93

10,83

> 12,00 até 16,85

Pagamento integral de ISS

Muito desvantajoso (*)

(1) As diferenças de recolhimento entre os mínimos e máximos, depende do valor do ISS à ser pago


Prestação de Serviços sem fornecimento de material (caso de projetos):

Recolhimento atual antes da adesão: PIS/COFINS = 3,65, IRPJ = 4,80%, CSLL = 2,88%, ISS = 5,0% (base Município de São Paulo). Total de 16,33%

Renda Bruta em 12 meses

Lucro Presumido

Alíquota

%

Adesão ao Super Simples


Mínimo = Máximo



Até 1.200.000,00

16,33

16,33

4,50 a 12,00

Muito vantajoso

1.200.000,01 a 1.440.000,00

16,33

16,33

12,80 a 13,25

Vantajoso para ISS=2 %

1.440.000,01 à 2.160.000,00

16,33

16,33

13,70 à 15,95

Vantajoso para ISS = 5 %

2.160.000,01 à 2.280,000,00

16,33

16,33

16,40

Desvantajoso

2.280.000,01 a 2.400.000,00

16,33

16,33

16,85

Desvantajoso

OBS.: (*) Nas Leis Sociais básicas (INSS) deve ser considerada a redução de 3,1% relativo aos 3 “S” ( SESI, SENAI e SEBRAI), que ficam dispensados do recolhimento.

Outras vantagens específicas da adesão ao SUPERSIMPLES

1 – Empreendedores individuais com receita bruta anual até R$ 36.000,00 (art. 26), poderão fornecer Nota Fiscal avulsa e gratuita obtida das Secretarias da Fazenda ou Finanças, nos três níveis de governo e dispensados da emissão de documento fiscal a serem definidas pelo Comitê Gestor.

2 – Nas licitações públicas (art.44 e 45) será assegurada, como critério de desempate, preferência de contratação para microempresas e empresas de pequeno porte, entendido como empate aquelas situações até 10,0% superiores à proposta mais bem classificada. Outro caso é quando, ocorrendo empate, a ME ou EPP mais bem classificadas poderão apresentar proposta de preço inferior àquela considerada vencedora, situação em que será adjudicado em seu favor, o objeto licitado.

3 – Nas contratações públicas (art, 47 e 48) nos três níveis de governo, poderá ser concedido tratamento diferenciado e simplificado destinado exclusivamente à participação aos MEs e EPPs, no valor de até R$ 80.000,00 ( oitenta mil reais).

Comentários

Mais artigos

Carta a um calouro (de arquitetura ou de engenharia)

A Profissão de Arquiteto

O que é Engenharia de Software?

Tabela de Honorários

Como e quanto os arquitetos cobram pelo seu trabalho?

Arquiteto, designer e decorador: sem preconceitos

Vantagens de estar desempregado (ou não) durante a seleção

Sucesso + Engenharia = Realizaçao profissional

6 ideias que podem mudar sua sina na entrevista de emprego

A responsabilidade profissional e o ser humano

O Mito da Criatividade em Arquitetura

Vantagens da Contratação de um Profissional Especializado

Diferença entre Arquiteto, engenheiro civil e designer de interiores

7 aspectos para começar e construir uma carreira em arquitetura ou design .

Quer ser um engenheiro de sucesso? Seja um engenheiro criativo.

O caminho de volta

O valor do profissional brasileiro

Contratação por projeto executivo define a obra

Inteligência Emocional: Conheça características do líder moderno

A importância do Planejamento no Papel

Atribuições do arquiteto

Lelé: cidades como São Paulo são Frankensteins.

Engenharia Nacional e a Competitividade Brasileira

A corrupção e a garantia quinquenal de obras

Como ser um empreendedor de sucesso

Sociedade entre Arquitetos: A construção em grupos de pesquisa e preço competitivo no mercado da construção

Trabalhar em casa: um bom negócio

Trabalho em equipe, 10 dicas para que isso aconteça.

Promiscuidade entre estado e governo: o vórtice do mal.

O “irresponsável técnico” da engenharia, arquitetura e construção

Arquitetos voltados a Decoração

2.012 – Importante ano para as Entidades de Classe do Sistema Confea/CREAs

Como produzir (provocar) a propaganda boca-a-boca

Os arquitetos e as cidades

Por que é que a gente é assim?

Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Construção do 3º milênio

Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?

Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro : Profissionais que transformam sonhos em realidade

O arquiteto como administrador de obras: vamos unir o útil ao agradável!

A falta de planejamento das pequenas empresas na construção civil

As previsões de Nostradamus, e a vergonha da Copa de 2014?

Porque o arquiteto deve fazer a administração de obras

Arquitetos de Cozinha

Conselho de Arquitetura e Urbanismo foi aprovado. O que muda?

Curso de Marketing e Vendas para arquitetos

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 3ª parte

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 2ª parte

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 1ª parte

Sociedade entre Arquitetos: A união, normalmente, faz a força!

Em dois meses, construção civil cria quase 102 mil novos empregos

Arquiteto ou arquiteta? Quem é melhor?

O Brasil preparado para crescer...Será???

O Brasil é um país de oportunidades para engenheiros...

Governo planeja construir nova rodovia Rio-Santos

Construção civil, após a crise, deve bater recorde de geração de empregos.

O acidente no Rodoanel e as boas práticas da engenharia

Obras públicas e a responsabilidade do sistema CONFEA/CREAS perante a nação! Final.

Obras públicas e a responsabilidade do sistema CONFEA/CREAS perante a nação! - 1ª parte.

O desabafo de um arquiteto

Relação arquiteto e cliente: um jogo de xadrez deveras complicado!

O IBDA também está no TWITTER

Lei federal exige específicamente a ART de orçamento

Os US$ 5 trilhões do G20 solucionarão a crise?

Crise. Segundo Einstein.

O principal documento para o trabalhador, não tem segunda via.

Lei de licitações e a polemica dos critérios de menor preço

Varejo de material de construcão deverá crescer 8,5 % em 2009 no Brasil.

Oferta de trabalho para 5.563 arquitetos e engenheiros

Orçamentos estimativos sem identificação de autoria pode anular licitação pública.

Lei de Licitações : O país precisa rever a Lei Nº 8666/93

Licitação por pregão : Carta aberta ao Senador Eduardo Suplicy

Irrigar a economia real sem custos extras

Relacionamento Entidade de Classe x Prefeitura... Parceria, Guerra ou Indiferença...

Resistência dos Materiais - Treliça Hipostática

Proposta de Política Industrial para a Construção Civil

Crises e Oportunidades

O TAC no contexto do direito ambiental

Vai montar seu canteiro de obras? Atente para alguns detalhes da norma

Maquete eletrônica – parte 1

Segurança em trabalhos com eletricidade

Como ter segurança em trabalhos com eletricidade

Em busca do tempo perdido

Antoni Gaudí, um arquiteto sonhador?! (Barcelona, 1852-1926)

Arquitetura Antroposófica: as artes plásticas e o desenvolvimento da alma humana

Os CREAs e o IPTU que as Prefeituras querem cobrar...

Zaha Hadid – uma arquiteta orgânica. Gosta de construir descontruindo.

É preciso recompor a arquitetura e a engenharia brasileiras

Quem tem medo de Oscar Niemeyer?

A Liderança Empresarial e a Sustentabilidade

O verdadeiro papel das entidades de classe.

Relação aberta, gol na certa!

O uso da medida grado na Geometria e a Historia Militar Brasileira - Aspectos de unidades de medida

Maquetes Eletrônicas

Eu compro imóvel na planta

Infiltração e drenagem - os temas da Maccaferri no Fórum da Construção

Engenharia de Avaliações

Oportunidades para o setor da construção no Golfo Arábico

CPMF

Táticas para pedir (e conseguir) aumento de salário

Obras e serviços de Engenharia não podem ser licitados por pregão !

Supersimples na construção civil: vale a pena aderir?

Proposta de projeto : a difícil negociação entre o arquiteto e o cliente,

A importância de contratar um Arquiteto e como proceder

Dúvidas mais comuns em relação ao registro de empresas no CREA-SP

Enigma estrutural: Teste estático versus teste dinâmico, ou Como Testar Uma Laje de Salão de Baile

O livro sagrado da Engenharia -- Surpresa! não é aquele que você está pensando.

Pensamentos da Engenharia

Imóvel, alternativa de aposentadoria

Honorários de engenharia : Como é difícil receber !!!

A.R.T. - Acervo e defesa do profissional

Orientação de um velho Engenheiro de Barbas Brancas a um jovem engenheirando sobre um estágio de férias

Aspectos matemáticos e humanos da corrente da felicidade

Invista no Arquiteto!

São Paulo, um gigantesco campo de trabalho para a Arquitetura

Como fazer a retificação de área no Registro de Imóveis

Espanhol cresce como ferramenta de trabalho!

Perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego(3/3)

Procedimentos em uma entrevista de emprego (2/3)

Preparando-se para uma entrevista de emprego (1/3)