Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Em Exercício Profissional (veja mais 126 artigos nesta área)

por Eng. Almir Roberson Aizzo Sodré

O TAC no contexto do direito ambiental



O Termo de Ajustamento de Conduta - TAC como instrumento jurídico tem se
presentado para ordenar as mais diversificadas questões, sendo comumente usada para ordenar as ações acordadas em diversas modalidades de conflitos. Neste artigo, procurou-se enfatizar o TAC no contexto do Direito Ambiental e, desta formar reunirem-se elementos fundamentais para a análise das questões ambientais que se inserem em nosso cotidiano.

1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS
Sabe-se que o desenvolvimento tecnológico ocorrido principalmente nas últimas décadas tem propiciado profundas e rápidas mudanças no meio social com reflexos na evolução sócio econômica das sociedades contemporâneas, bem como tem surgido novos campos de aplicação e desenvolvimento do direito.

Entre estas novas perspectivas sócio-jurídicas encontra-se a crescente preocupação do legislador e de estudiosos na área ambiental, como se pode constatar em nossa CF, que disciplina no art. 225, especialmente o meio ambiente.

Por sua vez, o art. 3º, I, da Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, já definia meio ambiente bem como caracterizava a responsabilidade objetiva do causador do dano e dava outras providências.

O referido artigo define meio ambiente como, o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas"; bem como caracterizava a responsabilidade objetiva do causador do dano e dava outras providências.

Assim, vemos que a preocupação com os problemas ambientais chegaram a ponto de existir em nosso ordenamento jurídico mecanismos legais para a proteção do meio ambiente, inclusive de âmbito constitucional, mostrando a evolução de um novo direito: o Direito Ambiental.

Também, antes da promulgação de nossa CF/1988, já havia em nossa sistemática jurídica a Lei da Ação Civil Pública, a Lei 7.347, de 24/07/85 que fortalecida pelo texto constitucional e posteriormente pelo Código de Defesa do Consumidor (lei 8.078/90), prevê o ajuizamento da ação civil pública para proteção do patrimônio ambiental, histórico, paisagístico etc., bem como serve para apurar a responsabilidade por danos a qualquer outro interesse difuso1 ou coletivo2.

Pela referida lei art.5º e o disposto na art. 129, III da Constituição Federal, estão legitimados a propor a ação civil pública, além do Ministério Público, a União, os Estados, e Municípios, autarquias, empresas públicas, fundações, sociedades de economia mista ou associações que tenham pelo menos um ano e tenham como finalidade a proteção dos valores protegidos por esta mesma lei.

1 Interesses difusos; são os interesses transindividuais, ou seja, são os que transcendem o indivíduo,
e ainda indivisível, de que sejam titulares pessoas indeterminadas, mas ligadas por circunstâncias de fato.


2 Interesses coletivos: são também os transindividuais, indivisíveis, mas que seja titular grupo, categoria ou classe de pessoas
ligadas entre si ou com a parte contraria por uma relação jurídica base (art.81, parágrafo único, I e II, Lei 8.078/90).


Em que pese este tipo de ação poder ser proposta por entidades privadas, sua essência é notadamente pública, isto quer dizer que proposta a ação civil pública estaremos falando de interesse público ou de ordem pública a ensejar a sua indisponibilidade,característica principal das questões públicas.

Tanto é uma questão pública que no art. 5º, § 3º, consta que em havendo desistência infundada ou abandono da ação por associação legitimada, o Ministério Público ou outro legitimado assumirá o pólo ativo; vale dizer que uma vez ajuizada a ação civil pública não poderá haver desistência sem motivação.

Por quê? Porque justamente estamos frente a um direito indisponível, por se trata de matéria de caráter público.
Assim, podemos concluir que por se tratar de ação eminentemente pública, não poderá o legitimado ativo dispor dela, já que não envolve apenas direito próprio.

1.2 PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL
Com o propósito de facilitar o entendimento das assertivas relacionadas com o
meio ambiente, a Constituição Federal e a Lei 6.938/81 trazem em diversos artigos alguns princípios básicos do Direito Ambiental3, os quais se resumem a seguir:

1.2.1 Princípio do Desenvolvimento Sustentável 4
Esse princípio procura compatibilizar o desenvolvimento econômico sustentável, a proteção do meio ambiente deve constituir parte integrante do processo de desenvolvimento e não pode ser considerada isoladamente em relação a ele.

A CF/88, no art. 225, inciso V prevê que o poder público, para assegurar o direito a um meio ambiente equilibrado ecologicamente deverá:
Controlar a produção, comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente.

A lei 6.938/81, quando cuida dos objetivos da Política Nacional do Meio Ambiente, prevê no art. 4º que tal política visará:

I – à compatibilização do desenvolvimento econômico-social com a preservação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico.
O art. 5º, parágrafo único da referida lei, prevê que;
“As atividades empresariais públicas ou privadas serão exercidas em consonância com as diretrizes da Política Nacional do Meio Ambiente”.

3 Direito Ambiental é um ramo do Direito que contém um conjunto de regras que regulamentam a proteção
e uso do meio ambiente visando a concretização de uma sadia qualidade de vida.
4 Art.170, VI, CC. Art.225, V da CF, e Art 4º e 5º. da lei 6.938/81.


A produção sustentável pode ser resumida em dois pontos básicos: economia e uso racional de energia e matéria-prima, conservando-se os recursos naturais.

1.2.2 Princípio do Poluidor Pagador5
Por este princípio busca-se consagrar a idéia de que aquele que poluir deverá arcar com os custos da reparação do dano causado. Em outros ordenamentos jurídicos chama-se princípio do causador ou responsável.

A previsão constitucional desse princípio encontra-se no art. 225, § 3º da CF/88, que determina:

As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independente da obrigação de reparar os danos causados.

Assim podemos identificar três órbitas de reparação do dano ambiental:
a) Civil;
b) Penal;
c) Administrativa.

1.2.3 Princípio da Prevenção (ou Precaução).6
Por este princípio busca-se prevenir a ocorrência do dano ambiental.
Esse é sem dúvida um dos princípios mais importantes do Direito Ambiental, diante da complexidade de reparação do dano ambiental, já que é difícil restabelecermos o status quo ante perante uma área degradada. Sabe-se que muitos danos ambientais são compensáveis, mas sob a visão técnica de difícil ou impossível reparação.

Utilizando-se instrumentos para tanto, tais como o EIA/RIMA – Estudo de Impacto Ambiental/ Relatório de Impacto no Meio Ambiente, incentivos fiscais e eventualmente uma legislação que imponha severas multas e sanções utilizadas como forma de prevenir a ação danosa.

Nesse sentido, o art. 225, § 1º, IV da CF/88 determina a necessidade de realização de EIA/RIMA para obras ou atividades potencialmente causadoras de significativa degradação do meio ambiente e o inciso V prevê o controle da produção, comercialização e emprego de técnicas que comportem risco para vida, qualidade de vida e meio ambiente.

1.2.4 Princípio da Participação 7
Esse princípio, já elencado no caput do artigo 225, prevê uma atuação conjunta do
poder público e da sociedade na proteção do meio ambiente.

5 Art.225, § 3º da CF e Art. 4º, VI e Art.14, § 1º da lei 6.938/81.
6 Art.225, § 3º, IV, e Art. 9º, I, V da lei 6.938/81
7 Art.225, § 1º, VI da CF/88 e Art.13 da lei 6.938/81.


Para efetivação dessa ação em conjunto a informação e a educação ambiental são meios necessários.

Nesse aspecto, ressalta-se a importância da implementação da Educação Ambiental, já consagrada na lei 9.795/99, devidamente regulamentada pelo Decreto 4.281/02 que estabeleceu a Política Nacional de Educação Ambiental, que buscará preservar o meio ambiente por meio da construção de valores sociais e atitudes voltadas à preservação desse bem.

1.2.5 Princípio da função socioambiental da propriedade8
Por esse princípio busca-se afirmar que o direito de propriedade deve ser exercido levando-se em conta noção de sustentabilidade ambiental. A função social da propriedade não se limita à propriedade rural, mas também à propriedade urbana. Engloba também a propriedade dos bens móveis e imóveis.

1.2.6 Princípio do limite9
Por esse princípio a administração tem o dever de estabelecer padrões de emissão de partículas, ruídos e a presença de corpos estranhos no ambiente, tendo em vista a necessidade de proteção da vida e do próprio ambiente.

1.2.7 Princípio da cooperação entre povos10
Conforme art. 4º da CF/88 e art. 4º, V da lei 6.938/81, c.c. art. 77 e 78 da lei 9.605/98.

Na área ambiental destaca-se esse princípio pelo fato de que as agressões ao meio ambiente não ficam restritas ao limite territorial do país em que ocorrem, mas, pelo contrário, podem espalhar-se para os países vizinhos.11

A cooperação internacional para preservação do meio ambiente determina que resguardados a soberania nacional, a ordem pública e os bons costumes, o governo brasileiro prestará, no que concerne ao meio ambiente, a necessária cooperação a outros países, devendo, ainda, manter sistemas de comunicação aptos a facilitar o intercâmbio rápido e seguro de informações com órgãos de outros países.12

A contextualização do Meio Ambiente tem ganhado uma importância cada vez mais expressiva em nosso meio, razão pelo qual tem impactado diretamente o planejamento e implantação dos empreendimentos imobiliários.

Conhecer as ferramentas de proteção e mitigação é uma das formas de premeditar e minimizar tanto os danos ambientais como suas conseqüência de reparação, as quais resultam sempre em intervenções financeiras ou físicas que desgastam sensivelmente a imagem de quem as produziu.

O TAC, tem se mostrado uma excelente ferramenta para tratar as questões dos danos ambientais, pois através do termo de ajustamento celebram-se de forma harmoniosa as ações de reparação e recuperação do dano ambiental, onde as partes ajustam suas respectivas condutas minimizando as conseqüências mais severas, que podem culminar até com o desmonte de uma empresa

8 Art.170, III e VI da CF/88, C.C Art.1.288, § 1º do Código Civil.
9 Art.225, § 1º, V da CF e Art. 4º, III c.c Art.8º, VII c.c. Art 9º, I da lei 6.938/81.
10 Art.4º da CF/88 e Art.4º, V da lei 6.938/81, c.c. Art.77 e 78 da lei 9.605/98.
11 Como exemplo: a poluição do mar ocorrida em certo ponto pode ser levada pelas correntes marinhas e afetar
cadeias de vida muito longe. Daí a necessidade de cooperação, por exemplo, na divulgação de dados e
informações ambientais.
12 Art. 77 e 78 da lei 9.605/98.








Está à procura de emprego? acesse: https://br.jooble.org/vagas-de-emprego-arquiteto

Visite nossas páginas no facebook -www.facebook.com/forumconstrucao e Twitter - www.twitter.com/forumconstrucaoCurta, Divulgue

Comentários

Mais artigos

Me formei, e agora? por onde começar a carreira de arquiteto?

Como se destacar no mercado de trabalho da engenharia

Os desafios do arquiteto

6 Conselhos poderosos para arquitetos recém-formados

Abrir negociações é tão importante quanto fechar negócios

Exigência de titulação acadêmica para contratação de profissionais de mercado: Um enorme equívoco

O Facebook e a formação continuada dos profissionais

Principais Dificuldades de um Arquiteto sem Renome ou Iniciante

Arquiteto ou Engenheiro?

Tempo integral

Metáfora futebolística - A preparação física

21 dicas para uma vida bem sucedida na arquitetura

Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto depois da prestação do serviço

Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto durante a execução do serviço

Dez coisas que aborrecem o cliente do engenheiro e do arquiteto durante a negociação do serviço

Indicadores de desempenho nos escritórios de arquitetura e de engenharia

Como ser um engenheiro civil de sucesso.

Se o seu escritório fosse um time de futebol, em qual divisão ele estaria jogando?

Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro : Profissionais que transformam sonhos em realidade

O buraco é mais em cima.

E o que faz o profissional da arquitetura de TI?

Conheça o perfil do Engenheiro para o mercado de trabalho

Como estar preparado para o primeiro contato com o cliente?

A importância da Engenharia para a sociedade e para o Brasil do século XXI.

Qual a importância do arquiteto?

Como Se Tornar um Arquiteto

Crise. Segundo Einstein.

Engenheiro ou arquiteto, qual devo contratar para o projeto de casa

Possibilidades na carreira para arquitetos

Por que é tão difícil?

Os 10 mandamentos de marketing para engenheiros e arquitetos

Quem é o engenheiro civil?

Tempo integral

Dicas para desenvolvimento profissional

Cliente e arquiteto: os dois lados da moeda

A delicada relação cliente-arquiteto

Carta a um calouro (de arquitetura ou de engenharia)

A Profissão de Arquiteto

O que é Engenharia de Software?

Tabela de Honorários

Como e quanto os arquitetos cobram pelo seu trabalho?

Arquiteto, designer e decorador: sem preconceitos

Vantagens de estar desempregado (ou não) durante a seleção

Sucesso + Engenharia = Realizaçao profissional

6 ideias que podem mudar sua sina na entrevista de emprego

A responsabilidade profissional e o ser humano

O Mito da Criatividade em Arquitetura

Vantagens da Contratação de um Profissional Especializado

Diferença entre Arquiteto, engenheiro civil e designer de interiores

7 aspectos para começar e construir uma carreira em arquitetura ou design .

Quer ser um engenheiro de sucesso? Seja um engenheiro criativo.

O caminho de volta

O valor do profissional brasileiro

Contratação por projeto executivo define a obra

Inteligência Emocional: Conheça características do líder moderno

A importância do Planejamento no Papel

Atribuições do arquiteto

Lelé: cidades como São Paulo são Frankensteins.

Engenharia Nacional e a Competitividade Brasileira

A corrupção e a garantia quinquenal de obras

Como ser um empreendedor de sucesso

Sociedade entre Arquitetos: A construção em grupos de pesquisa e preço competitivo no mercado da construção

Trabalhar em casa: um bom negócio

Trabalho em equipe, 10 dicas para que isso aconteça.

Promiscuidade entre estado e governo: o vórtice do mal.

O “irresponsável técnico” da engenharia, arquitetura e construção

Arquitetos voltados a Decoração

Como produzir (provocar) a propaganda boca-a-boca

Os arquitetos e as cidades

Por que é que a gente é assim?

Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Construção do 3º milênio

Qual é o valor da minha hora-técnica? Como calculo isso?

O arquiteto como administrador de obras: vamos unir o útil ao agradável!

A falta de planejamento das pequenas empresas na construção civil

Porque o arquiteto deve fazer a administração de obras

Arquitetos de Cozinha

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 3ª parte

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 2ª parte

O exercicio profissional e a sustentabilidade das profissões: uma abordagem mercadológica - 1ª parte

Sociedade entre Arquitetos: A união, normalmente, faz a força!

Arquiteto ou arquiteta? Quem é melhor?

O Brasil é um país de oportunidades para engenheiros...

O desabafo de um arquiteto

Relação arquiteto e cliente: um jogo de xadrez deveras complicado!

Lei federal exige específicamente a ART de orçamento

O principal documento para o trabalhador, não tem segunda via.

Orçamentos estimativos sem identificação de autoria pode anular licitação pública.

Irrigar a economia real sem custos extras

Relacionamento Entidade de Classe x Prefeitura... Parceria, Guerra ou Indiferença...

Resistência dos Materiais - Treliça Hipostática

O TAC no contexto do direito ambiental

Vai montar seu canteiro de obras? Atente para alguns detalhes da norma

Maquete eletrônica

Segurança em trabalhos com eletricidade

Como ter segurança em trabalhos com eletricidade

Antoni Gaudí, um arquiteto sonhador?! (Barcelona, 1852-1926)

Arquitetura Antroposófica: as artes plásticas e o desenvolvimento da alma humana

Os CREAs e o IPTU que as Prefeituras querem cobrar...

Zaha Hadid – uma arquiteta orgânica. Gosta de construir descontruindo.

Quem tem medo de Oscar Niemeyer?

A Liderança Empresarial e a Sustentabilidade

O verdadeiro papel das entidades de classe.

Relação aberta, gol na certa!

O uso da medida grado na Geometria e a Historia Militar Brasileira - Aspectos de unidades de medida

Maquetes Eletrônicas

Eu compro imóvel na planta

Engenharia de Avaliações

Táticas para pedir (e conseguir) aumento de salário

Obras e serviços de Engenharia não podem ser licitados por pregão !

Supersimples na construção civil: vale a pena aderir?

Proposta de projeto : a difícil negociação entre o arquiteto e o cliente,

A importância de contratar um Arquiteto e como proceder

Dúvidas mais comuns em relação ao registro de empresas no CREA-SP

Enigma estrutural: Teste estático versus teste dinâmico, ou Como Testar Uma Laje de Salão de Baile

O livro sagrado da Engenharia -- Surpresa! não é aquele que você está pensando.

Pensamentos da Engenharia

Imóvel, alternativa de aposentadoria

Honorários de engenharia : Como é difícil receber !!!

A.R.T. - Acervo e defesa do profissional

Orientação de um velho Engenheiro de Barbas Brancas a um jovem engenheirando sobre um estágio de férias

Aspectos matemáticos e humanos da corrente da felicidade

Invista no Arquiteto!

São Paulo, um gigantesco campo de trabalho para a Arquitetura

Como fazer a retificação de área no Registro de Imóveis

Perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego(3/3)

Procedimentos em uma entrevista de emprego (2/3)

Preparando-se para uma entrevista de emprego (1/3)