Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Enquete

O mundo da construção é masculino?





Ver todos os resultados

Em Gerenciamento de obras (veja mais 16 artigos nesta área)

por Arq. Iberê M. Campos

Medição de vidros e a eterna questão do custo versus preço



Cada empresário tem seus próprios sistemas de cálculo de preço. Claro que existem os procedimentos lógicos e técnicos, mas nem todos parecem segui-los, em especial algumas empresas de colocação de vidros. Veja o que aconteceu e tire suas próprias conclusões.
Recentemente fiz uma pequena reforma em casa e precisei contratar uma empresa para colocar vidros em uma porta de ferro, cujo desenho está aí ao lado. O caixilho tem 2,10m de altura por 1,60m de largura, portanto uma área de vidro de 3,36m², isto já sendo benevolente com o vidraceiro pois não estamos descontando a área dos montantes e das travessas internas. Telefonei para vários vidraceiros e os preços estavam em torno de R$ 60 o m², ou seja, ficaria por algo como R$ 201,60.

Contratei um deles para fazer a colocação, mas quando ele chegou no local foi logo falando:
-- Ah doutor... mas é tudo vidrinho... assim vai ficar mais caro...

Pensei que talvez fosse pelo trabalho a mais que daria par cortar os pedaços, mas:
-- Não é isto... é que, como o senhor deve saber, os vidros são medidos em múltiplos de 5 cm, por causa das perdas... assim no seu caso são 60 pedaços de 25 x 25 cm, ou seja, 3,75 m² e o serviço vai ficar em R$ 225,00 ou seja, apenas 12% a mais...

A diferença de preço parece pequena, mas imagine uma obra toda sendo cotada desta maneira... em nome dos bons princípios da matemática e da engenharia, recusei de pronto:

-- Sinto muito, meu amigo... não vou contratá-lo pois sua maneira de cálculo está totalmente errada e estou me sentindo prejudicado!

Pesquisando, constatei que o vidro plano é vendido por cerca de R$ 30,00 para os vidraceiros, ou seja, eles têm um “lucro” de 100%. Claro que não é bem assim, pois deste “lucro” a loja precisa tirar suas despesas com aluguel, funcionários, impostos e por aí afora.

Mas a nossa discussão aqui não é esta, estamos falando da formação do preço de venda. Em qualquer situação onde se fornece material mais mão de obra, o cálculo do preço de venda é feito assim:

P = (C + M + T) * E

Onde:
P = Preço de Venda
C = Custo dos materiais empregados
M = Custo da mão de obra
T = Serviço de terceiros, se houver
E = Encargos

Vejamos em detalhes:

Custo dos materiais -– Cálculo muito simples, basta ver o que se vai gastar e o quanto se paga por eles. No caso do vidraceiro, R$ 30,00 o metro quadrado vezes 3,36 m² = R$ 100,80

Mão de obra -– Normalmente se calcula em homem-hora. O valor do homem-hora precisa ser calculado para cada empresa, dividindo os custos fixos pelo total de mão de obra disponível. Digamos que a empresa arque com R$ 10.000 mensais de despesa e tenha três colocadores que trabalham, em média, 150 horas ao mês. Neste caso, o custo do homem-hora é de 10000 / (3 * 150 ) = R$ 22.
Serviços de terceiros -– São ítens não são fornecidos pela empresa, mas contratados. Por exemplo, suponhamos que o vidraceiro precisasse contratar um carreto ou um pintor, o que fosse pago a estes outros profissionais entraria no cálculo como fornecimento de terceiros.

Encargos -– É tudo o que incide percentualmente sobre o preço de venda. Entre estes, temos os impostos, comissão de vendedores, lucro (real) da operação e por aí afora. O coeficiente é igual a:

E = 1 / (1 – P)
Onde P = Porcentagem de encargos.

Exagerando, digamos que o vidraceiro tenha que pagar 10% de impostos, 10% de comissão para um vendedor e mais 10% de lucro, num total de 30%. Neste caso, o coeficiente E será igual a
E = 1 / ( 1 – 0,3) = 1,43.

Resumindo, o nosso vidro sairia por:
Material = 3,36 x 30 = 100,80
Mão de obra = 2 horas a R$ 22 = 44,00
Preço de venda = (100,80 + 44) * 1,43 = R$ 207,00

Mesmo com os valores inflacionados que colocamos, confirma-se então que o nosso cálculo estava certo, e o vidraceiro estava superestimando seu serviço...

Claro que não se espera que se faça este cálculo a torto e a direito, estamos apenas dando um exemplo simples de formação de preço de venda, e mostrando como certos procedimentos viciados alteram completamente os resultados. O fato é que existe muito profissional por aí que não sabe calcular ao certo o quanto cobrar por seus serviços. Assim, se você trabalha com obras abra o olho para o processo de medição, tente entender como se chegou naquele preço e defenda seus interesses!

Comentários

Mais artigos

Construção Civil: Vantagens do gerenciar obras

Os benefícios do gerenciamento de obras

A Viabilidade da Mecanização na Construção Civil

Gerenciamento e fiscalização de contratos

Gerenciamento de equipes de trabalho

Gerenciamento de Projetos e Obras

Cuidados ao gerenciar sua obra

A obra atrasou, e agora?

Gerenciamento de Obra: agilidade e sincronia das equipes são os maiores desafios, “porque o tempo não para”!

Alcoolismo no canteiro de obras é perigo iminente

Obra parada, resultado da falta de planejamento e de administração

Será que o Custo Unitário Básico (CUB) serve realmente para orçar uma construção?

Reforma de casa ou apartamento requer planejamento, bons profissionais e diplomacia

Critérios de medição em obra

Medição de vidros e a eterna questão do custo versus preço

Compra de terreno para construção: o que é importante?

Matec Engenharia apresenta Sistema de Gestão de Planejamento