Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Home Office: um desafio para o mundo corporativo

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Enquete

Vai reformar ou construir? Onde faz suas pesquisas de marcas e preços?





Ver todos os resultados

 

Discussões no Fórum

Terreno com olho d'agua

Terreno com olho d'agua

Terreno com olho d'água.

Procuro designer de interiores rj

Armário de cozinha, como escolher?

Em Gerenciamento de obras (veja mais 14 artigos nesta área)

por Arq. Iberê M. Campos

Medição de vidros e a eterna questão do custo versus preço



Cada empresário tem seus próprios sistemas de cálculo de preço. Claro que existem os procedimentos lógicos e técnicos, mas nem todos parecem segui-los, em especial algumas empresas de colocação de vidros. Veja o que aconteceu e tire suas próprias conclusões.
Recentemente fiz uma pequena reforma em casa e precisei contratar uma empresa para colocar vidros em uma porta de ferro, cujo desenho está aí ao lado. O caixilho tem 2,10m de altura por 1,60m de largura, portanto uma área de vidro de 3,36m², isto já sendo benevolente com o vidraceiro pois não estamos descontando a área dos montantes e das travessas internas. Telefonei para vários vidraceiros e os preços estavam em torno de R$ 60 o m², ou seja, ficaria por algo como R$ 201,60.

Contratei um deles para fazer a colocação, mas quando ele chegou no local foi logo falando:
-- Ah doutor... mas é tudo vidrinho... assim vai ficar mais caro...

Pensei que talvez fosse pelo trabalho a mais que daria par cortar os pedaços, mas:
-- Não é isto... é que, como o senhor deve saber, os vidros são medidos em múltiplos de 5 cm, por causa das perdas... assim no seu caso são 60 pedaços de 25 x 25 cm, ou seja, 3,75 m² e o serviço vai ficar em R$ 225,00 ou seja, apenas 12% a mais...

A diferença de preço parece pequena, mas imagine uma obra toda sendo cotada desta maneira... em nome dos bons princípios da matemática e da engenharia, recusei de pronto:

-- Sinto muito, meu amigo... não vou contratá-lo pois sua maneira de cálculo está totalmente errada e estou me sentindo prejudicado!

Pesquisando, constatei que o vidro plano é vendido por cerca de R$ 30,00 para os vidraceiros, ou seja, eles têm um “lucro” de 100%. Claro que não é bem assim, pois deste “lucro” a loja precisa tirar suas despesas com aluguel, funcionários, impostos e por aí afora.

Mas a nossa discussão aqui não é esta, estamos falando da formação do preço de venda. Em qualquer situação onde se fornece material mais mão de obra, o cálculo do preço de venda é feito assim:

P = (C + M + T) * E

Onde:
P = Preço de Venda
C = Custo dos materiais empregados
M = Custo da mão de obra
T = Serviço de terceiros, se houver
E = Encargos

Vejamos em detalhes:

Custo dos materiais -– Cálculo muito simples, basta ver o que se vai gastar e o quanto se paga por eles. No caso do vidraceiro, R$ 30,00 o metro quadrado vezes 3,36 m² = R$ 100,80

Mão de obra -– Normalmente se calcula em homem-hora. O valor do homem-hora precisa ser calculado para cada empresa, dividindo os custos fixos pelo total de mão de obra disponível. Digamos que a empresa arque com R$ 10.000 mensais de despesa e tenha três colocadores que trabalham, em média, 150 horas ao mês. Neste caso, o custo do homem-hora é de 10000 / (3 * 150 ) = R$ 22.
Serviços de terceiros -– São ítens não são fornecidos pela empresa, mas contratados. Por exemplo, suponhamos que o vidraceiro precisasse contratar um carreto ou um pintor, o que fosse pago a estes outros profissionais entraria no cálculo como fornecimento de terceiros.

Encargos -– É tudo o que incide percentualmente sobre o preço de venda. Entre estes, temos os impostos, comissão de vendedores, lucro (real) da operação e por aí afora. O coeficiente é igual a:

E = 1 / (1 – P)
Onde P = Porcentagem de encargos.

Exagerando, digamos que o vidraceiro tenha que pagar 10% de impostos, 10% de comissão para um vendedor e mais 10% de lucro, num total de 30%. Neste caso, o coeficiente E será igual a
E = 1 / ( 1 – 0,3) = 1,43.

Resumindo, o nosso vidro sairia por:
Material = 3,36 x 30 = 100,80
Mão de obra = 2 horas a R$ 22 = 44,00
Preço de venda = (100,80 + 44) * 1,43 = R$ 207,00

Mesmo com os valores inflacionados que colocamos, confirma-se então que o nosso cálculo estava certo, e o vidraceiro estava superestimando seu serviço...

Claro que não se espera que se faça este cálculo a torto e a direito, estamos apenas dando um exemplo simples de formação de preço de venda, e mostrando como certos procedimentos viciados alteram completamente os resultados. O fato é que existe muito profissional por aí que não sabe calcular ao certo o quanto cobrar por seus serviços. Assim, se você trabalha com obras abra o olho para o processo de medição, tente entender como se chegou naquele preço e defenda seus interesses!

Comentários

Mais artigos

A Viabilidade da Mecanização na Construção Civil

Gerenciamento e fiscalização de contratos

Gerenciamento de equipes de trabalho

Gerenciamento de Projetos e Obras

Cuidados ao gerenciar sua obra

A obra atrasou, e agora?

Gerenciamento de Obra: agilidade e sincronia das equipes são os maiores desafios, “porque o tempo não para”!

Alcoolismo no canteiro de obras é perigo iminente

Obra parada, resultado da falta de planejamento e de administração

Será que o Custo Unitário Básico (CUB) serve realmente para orçar uma construção?

Reforma de casa ou apartamento requer planejamento, bons profissionais e diplomacia

Critérios de medição em obra

Medição de vidros e a eterna questão do custo versus preço

Compra de terreno para construção: o que é importante?

Matec Engenharia apresenta Sistema de Gestão de Planejamento