Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

por Alexandre Fracchetta

Atmosferas Explosivas - Instalações elétricas - Gerenciamento de Riscos



Este texto gera como objetivo uma análise mais profunda do mencionado na NR-10, que trata da segurança em serviços de eletricidade. Para profissionais da área de elétrica que atuam em instalações de risco como plantas indústrias químicas, áreas de petróleo entre outras de mesma classificação.

Instalações elétricas em atmosferas explosivas é um assunto que ainda gera muita polêmica entre os profissionais das áreas de elétrica, automação, instrumentação que atuam nesta situação. Os motivos são claramente preocupantes e óbvios, administrar esse tipo de situação requer todo cuidado e planejamento possível.

No entanto, é possível manter a operação de uma planta sob o devido controle sem maiores sofrimentos dentro de uma área classificada. E nesse contexto, uma alternativa viável envolve a adoção do conceito de gerenciamento de riscos, onde existe  uma série de medidas que visam mitigar ou eliminar eventuais riscos presentes em um ambiente destes.

A ação básica é impedir que as possíveis fontes de ignição entrassem em contato com a atmosfera explosiva, utilizando para isso equipamentos elétricos e eletrônicos especiais e infraestruturas à prova de explosão, de segurança aumentada ou segurança intrínseca. Como estes produtos são caros a instalação deve ser muito bem dimensionada, parta não ocorrer em excessos e gastos desnecessários. 

A atmosfera é considerada explosiva quando existe o manuseio do produto inflamável, junto com o vapor ou poeira combustível, essa junção pode ser  fatal e torna o ambiente de risco.

“Para que uma operação seja entendida como potencialmente explosiva tem que haver liberação de vapor ou poeira combustível ao ambiente” conforme orientações da Associação Brasileira para Prevenção de Explosões ( ABPEx). Isto quer dizer que uma indústria química não precisa necessariamente utilizar equipamentos à prova de explosão em toda sua instalação apenas por conta da natureza de sua atividade.

Avaliando os Riscos da área:

O primeiro passo é começar por um bom estudo de classificação de área, que identifica, com precisão, onde estão os riscos e qual a dimensão dos mesmos dentro da empresa. Com essas informações em mãos, é possível fazer uma análise detalhada de cada ambiente com propósito de definir ações que possam reduzir, ou eliminar riscos.

- Primeiro passo: avaliar o risco de vazamentos, caso exista substituir toda a tubulação roscada pelo sistema soldado, uma ação industrial relativamente simples.

- Segundo passo: verificação da utilização de equipamentos elétricos e eletrônicos, caso existam se não tiverem sua própria proteção, deverão ser instalados em caixas ou painéis á prova de explosão, utilizando as devidas conexões, desde a entrada de cabos, a vedação dos painéis utilizados e a tubulação que ira levar o cabeamento até o local desejado, todos devem ser classificados e com a utilização dos referidos drenos, com massa de vedação, para proteger e impedir a entrada de qualquer vapor ou poeira combustível.

- Terceiro passo: Avaliação da existência de elementos de comando no campo. Caso existam botoeiras, lâmpadas sinalizadoras e luminárias, comutadoras, interruptores, motores entre outros que possam ser pontos de ignição, estes devem ser instalados em caixas também á prova de explosão.

- Quarto passo: Importante avaliar se existem na área salas de equipamentos, ou mesmo ambientes administrativos expostos á esta atmosfera. Sendo assim estas também deverão ser protegidas e ter sua instalação á prova de explosão.

No final o importante é avaliar a área que realmente tem um potencial explosivo e protege-la. Há outra questão importante envolvida nesse processo: o seguro que custará proporcionalmente aos riscos enxergados pelo contratante. “Se você enxerga que o risco é alto, não sendo, você está se comprometendo com um alto custo”. Se a empresa não atentar para gerenciar seus riscos, poderá pagar um seguro absurdo, ou então não conseguir cobertura.

Segue como referência tabela como níveis de risco de ignição e zoneamento:


CÓDIGO DE ZONEAMANTO:

Zona 20 - É um local em que a atmosfera explosiva, em forma de nuvem de poeira, está presente de forma permanente, por longos períodos ou ainda frequentemente (estas zonas, igual que gases e vapores, são gerados por fontes de risco de grau contínuo).

Zona 21 - É um local em que a atmosfera explosiva em forma de nuvem de pó está presente em forma ocasional, em condições normais de operação da unidade (estas zonas, igual que gases e vapores, são geradas por fontes de risco de grau primário).

Zona 22 - É um local onde a atmosfera explosiva em forma de nuvem de pó existirá somente em condições anormais de operação e se existir será somente por curto período de tempo (estas zonas, igual que gases e vapores, são geradas por fontes de risco de grau secundário)

DEFINIÇÕES DE ZONEAMENTO:

Zona 0 – Local onde a ocorrência de mistura inflamável/explosiva por gases ou vapores é continua ou existe por longos períodos.

Zona 1 - É um local onde a atmosfera explosiva está presente em forma ocasional e em condições normais de operação, sendo normalmente geradas por fontes de risco de grau primário.

Zona 2 - É um local onde a atmosfera explosiva está presente somente em condições anormais de operação e persiste somente por curtos períodos de tempo, sendo geradas normalmente por fontes de risco de grau secundário.


Você conhece o "Curso a distancia IBDA - CentrodEstudos? Veja os cursos disponíveis, e colabore com o IBDA, participando, divulgando e sugerindo novos temas.

Visite nossa página no facebook -www.facebook.com/forumconstrucao - Curta, Divulgue

Comentários

Mais artigos

12 erros que comprometem a instalação elétrica de uma residência

Sobre o Lixo Eletrônico

Erros que comprometem a instalação elétrica de uma residência

Como detectar problemas nas instalações elétricas

5 problemas na rede elétrica que afetam seus equipamentos

A importância da manutenção nas instalações eletricas

Como evitar riscos elétricos na construção civil

Como evitar acidentes com Eletricidade

O que está acontecendo com nosso clima? Descargas atmosféricas e seus efeitos

A importância do projeto elétrico residencial

Com que frequência devemos renovar a instalação elétrica no condomínio?

Dicas de segurança com a energia elétrica

Internet pode trafegar pela rede elétrica

Gravidade do Choque Elétrico

Lâmpadas incandescentes: saem do mercado até 2016

Atmosferas Explosivas - Instalações elétricas - Gerenciamento de Riscos

Por que devemos contratar um eletricista para fazer um Aterramento Elétrico?

Como Prevenir Incêndios Elétricos em Casa

Instalações eletrônicas em ambientes hospitalares.

Aterramento elétrico

Iluminação, introdução aos sistemas de controle

Substituiçao de lampadas incandescentes x fluorescentes

Construção Civil e os Acidentes com Instalações Elétricas

As radiações eletromagnéticas no ambiente doméstico

Folhas luminosas de fibras ópticas superam deficiência dos LEDs

Chuveiro elétrico é mais econômico que aquecedores

Novo padrão de tomada elétrica brasileiro

Aterramento e proteção contra descargas atmosféricas

Iluminação em baixa voltagem

Instalações elétricas : Previna seu patrimônio contra danos

Semáforo plano de LEDs é mais leve e reduz custos de instalação e manutenção

Dimensionamento cuidadoso e execução correta garantem instalação elétrica de qualidade

Cobre valorizado no mercado internacional afeta Brasil e incentiva roubo de condutores elétricos e de cargas

Distúrbios elétricos provocam problemas em eletrodomésticos