Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Procuramos o desenvolvimento de nosso setor, em todos os aspectos,e saúde é sempre fundamental. Nessa nova área, temos a parceria e orientação do “Grupo Faz Bem”, que é composto por vários canais de comunicação, incluindo uma Editora, TV e Rádio web. O portal de saúde e relacionamentos www.fazbem.com carrega o mix de conteúdo sendo o número um, no site de busca Google. Os artigos são todos preparados por especialistas na área de saúde e relacionamento e cuidadosamente revisado pelos jornalistas J.Washington e Darleide Alves


Acesse : www.fazbem.com

Em Saúde para Profissionais (veja mais 71 artigos nesta área)

por Reinaldo Zaruvni

Como o isolamento social pode afetar a sua saúde?



Robert L Berg, autor do livro The Second Fifty Years, define isolamento social como “a ausência de interações sociais, contatos e relações com família, amigos, vizinhos ou mesmo no nível individual quando se considera a sociedade em um nível mais amplo”.

Muito além do “hoje eu quero ficar um pouco quieto”, o estresse causado pelo fenômeno pode trazer problemas sérios à saúde, tanto mentais quanto emocionais e até mesmo físicos. Por isso, especialistas buscam esclarecer a importância do contato, mesmo que à distância, durante a pandemia do coronavírus.



Segundo relatório da Cigna, companhia global dedicada à manutenção do bem-estar psicológico da população, em 2020, três em cada cinco norte-americanos relataram um sentimento persistente de tristeza – um aumento de 7% em relação ao documento de 2018. Os mais afetados pela situação são jovens de 18 a 22 anos, presentes frequentemente em redes sociais, mas mais propensos a sentirem-se sozinhos. E isso é preocupante.

“Há fortes evidências de que isolamento social e solidão aumentam consideravelmente o risco de mortalidade prematura, algo que vai muito além de indicadores de saúde”, explica a Dra. Julianne Holt-Lunstad, professora de psicologia e neurociência da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos. Como exemplo, ela cita um estudo que indica maior propensão ao abuso de álcool e consumo excessivo de cigarros nessas situações, resultando em riscos duas vezes maiores que os decorrentes de obesidade.

“Estar conectado socialmente a outras pessoas é considerado uma necessidade humana fundamental. É crucial para o bem-estar e a sobrevivência”, ressalta a pesquisadora.

Não é uma questão propriamente física

Em 2012, uma pesquisa realizada na Suíça revelou que, independentemente da idade, indivíduos que se consideravam mal integrados socialmente sofriam com saúde debilitada, desordens musculoesqueléticas, depressão e abuso de drogas. Além disso, em 2019 a Sociedade Americana do Câncer revelou que isolamento social aumenta o risco de morte para qualquer pessoa. Mais de 580 mil perfis foram analisados.

Entretanto, não é preciso estar fisicamente isolado para sentir os efeitos, de acordo com o Dr. Lawrence Palinkas, professor da Universidade do Sul da Califórnia. “Tomemos como exemplo aqueles que vivem em lares assistidos ou de idosos com vários outros moradores. Pode ser que haja interação constante e, ainda assim, persista o sentimento de isolamento social, pois esse contato carrega a ideia de separação do restante da sociedade – especialmente se não houver aproximação psicológica, somente a física”, explica.

Lawrence ressalta que as pessoas podem se sentir incluídas socialmente mesmo com a distância física, citando como exemplo o uso de redes sociais. Segundo ele, o que importa é a percepção pessoal de pertencimento, sendo que, às vezes, distanciamento físico não é o fator determinante para a solidão – chegando a nem ser um fator em vários casos.

Como o cérebro reage?

O hipocampo, região responsável pelo aprendizado e pela memória, não apenas diminui de tamanho quando exposto ao isolamento a longo prazo, mas também perde a plasticidade e pode acabar se “desligando” completamente. Ao mesmo tempo, a amígdala, que regula a resposta ao medo e à ansiedade, entra em ação. Quanto mais tempo o confinamento dura, mais pronunciadas essas mudanças se tornam.

Robert King, que viveu 29 anos em um confinamento prisional solitário, explica como era passar cerca de 23 horas por dia sem contato físico algum e estímulo sensorial mínimo. Ao sair da prisão, ele tinha grandes dificuldades para até mesmo entender o que eram os rostos de outras pessoas que ele via – sendo incapaz de reconhecê-los. Se deslocar por caminhos comuns também era um desafio que exigia apoio, já que as capacidades de orientação e navegação estavam comprometidas.

De acordo com o Dr. Craig Haney, professor de psicologia da Universidade da Califórnia, paranoia, alucinações e ataques de pânico são frequentes nos casos de isolamento social prolongado. Anthony Graves, um outro ex-detento, relembra: “Eu via pessoas chegarem à prisão completamente sãs e que, três anos depois, não vivam mais no mundo real. Não tenho noites tranquilas de sono desde que fui liberado. Tenho transtornos de humor que causam colapsos mentais”.

Astronautas, apesar de treinados, também sofrem com a ausência de estímulos quando estão em missão.

Distanciamento físico é diferente de isolamento social

Uma das medidas-chave para combater o coronavírus é o distanciamento físico – e isso não quer dizer que o mundo inteiro deva sofrer as consequências do isolamento social. Um exemplo para aplacar o sentimento de solidão é justamente desenvolver atividades conjuntas que dispensem a presença física de pessoas.

Vídeos de vizinhanças inteiras cantando juntas de suas varandas ou janelas viralizaram recentemente e são um ótimo exemplo disso. Dr. Phyllis Johnson, professor de sociologia da Universidade da Colúmbia Britânica, explica que o indivíduo pode se sentir pertencente a esses “rituais” sem necessariamente estar próximo dos outros integrantes.

Johnson também recomenda atividades como preparar pratos diferentes do habitual, assistir a programas diversificados, aprender novas habilidades e por aí vai. É de suma importância estabelecer uma rotina para manter o senso de objetivo.

“Todos os dias, eu e minha esposa levamos o cachorro para passear pela vizinhança. Vemos muitos vizinhos com quem normalmente não interagíamos antes da pandemia e que agora parecem muito mais cordiais – em parte porque eles sentem a necessidade de interagir e em parte porque eles estão passando muito tempo sozinhos. Acho que a lição que tiramos disso é que a experiência que estamos tendo é coletiva. Estamos nessa juntos!”, finaliza.



Fonte:tecmundo.com.br



Visite nossas páginas no facebook -www.facebook.com/forumconstrucao e Twitter - www.twitter.com/forumconstrucaoCurta, Divulgue



















Comentários

Mais artigos

Como o isolamento social pode afetar a sua saúde?

Conheça os riscos da poeira na Construção Civil e como evitá-los

7 doenças que podem se originar no canteiro de obras

O que são Doenças Modernas?

Suicídio: O Que Leva Uma Pessoa a se Suicidar?

Os efeitos da solidão na saúde

10 Tipos de Acidentes Mais Comuns na Construção Civil

Oito dicas que ajudam a lidar com a pressão e o estresse

O stress e a organização no ambiente de trabalho

Tristeza natalina: por que acontece e como evitar

A importância da saúde para a competitividade das organizações

Abraços podem ajudar a prevenir estresse e outras doenças

Os 10 mandamentos de quem quer seguir uma dieta

10 principais problemas de saúde desenvolvidos no trabalho

Nove dicas para prevenir problemas de coluna

5 passos para melhorar a sua autoestima

Como cuidar da saúde, enquanto se está no trabalho?

O stress e a organização no ambiente de trabalho

Sedentarismo

Atividades para idosos: a vida começa aos 60!

Doenças do trabalho

Quais são os melhores alimentos para ter uma pele saudável?

Equilíbrio nos idosos

O Stress e Diabetes

Caminhar melhora a criatividade

Falta de exercício é principal fator de risco para mulheres

Tudo sobre o estresse

Como conversar e lidar com um idoso teimoso

Infidelidade conjugal: Prazer ou Dor?

Como é que o envelhecimento afeta a saúde sexual

Como cuidar da sua saúde durante o trabalho

6 dicas para acabar com o estresse no trabalho

Para melhorar a mente, aprenda algo realmente novo

Você não consegue julgar o comportamento dos seus amigos

É possível evitar a barriguinha da meia-idade?

Comer demais já mata mais do que fome no mundo

Sete dicas para afastar o estresse sem sair da mesa de trabalho

12 hábitos que ajudam a ter uma saúde mais plena

Como identificar os sinais de uma depressão

Leite de Soja – Propriedades Medicinais

Como tornar os dias dos idosos mais agradáveis.

Conheça mitos e verdades sobre exercícios abdominais

Como reduzir o problema do mau hálito

Andar é tão bom para o corpo quanto correr, com menos riscos

Como cuidar da sua saúde durante o trabalho

8 dicas para cuidar de uma pessoa deprimida

Civilização moderna, pessoas modernas e doenças modernas

Esclarecendo 25 dúvidas sobre o consumo de sal

Envelhecer - uma tarefa que exige cuidados simples

Os exercícios e a reciclagem do corpo

Sete hábitos para um coração saudável

Suar é importante para manter a temperatura, mas não emagrece

7 segredos para sua caminhada dar certo

Como cuidar do corpo para dominar o estresse

Pessoas bem informadas alimentam-se melhor

O que é o alongamento?

Plantas e ervas em excesso podem fazer mal à saúde!

Doces e açúcares na enxaqueca

Saúde: Seis regras de ouro para você.

Sonolência excessiva diurna, um problema atual

Filhos: os pais não tem como acompanhar o tempo todo, mas é preciso ter muito cuidado

Cogumelos, por que fazem bem à saúde?

Atividade física é qualidade de vida

Dilemas morais: Nós somos mais ou menos morais do que pensamos?

Uma maneira refrescante de cuidar da saúde: suchás

Os campeões são vegetarianos? Perguntas e respostas.

Ciúme ou medo?

Familiar deprimido? O que fazer

É hora de desintoxicar!

Relacionamentos: Como conviver com a sogra!

Alimentos saudáveis, de A a Z.

A importância da saúde na carreira profissional