Seu navegador não supoerta scripts

Busca

 

Curso a Distância - Home Office: um desafio para o mundo corporativo

Curso a Distância - Redução do consumo de água em edificações

Curso a Distância - Eficiência Energética em Edifícios

Curso a Distância - Arquitetura Corporativa

Curso a Distância - Terra Crua

Curso a Distância - Arquitetura Acessível x Barreiras Arquitetônicas e Culturais

 

Artigos

 



Catálogo de Produtos Inclusivos

 

Acompanhe-nos

Facebook   Facebook

 

 

Enquete

Passada as expectativas da eleição, a economia vai:




Ver todos os resultados

 

Discussões no Fórum

Terreno com olho d'agua

Terreno com olho d'agua

Terreno com olho d'água.

Procuro designer de interiores rj

Armário de cozinha, como escolher?

Evoluímos!
Dýnamis agora é TriGeo!

Em seu 25º aniversário a Dýnamis Engenharia Geotécnica passa para uma nova fase de desenvolvimento e amadurecimento e, a partir de agora irá se concentrar na Consultoria Geotécnica através do Eng° Mauro Hernandez Lozano, criador e fundador da empresa.
Pela vasta experiência adquirida nestes vinte e cinco anos e com a finalidade de continuar prestando serviços geotécnicos de excelência, cria-se a empresa TriGeo Engenharia Geotécnica, alicerçada no mesmo corpo técnico da Dýnamis Engenharia Geotécnica.
O Eng° Mauro Hernandez Lozano continuará a participar ativamente do dia-a-dia da nova empresa, que tem sua conduta inspirada na Ciência Trilógica que unifica a ciência, a filosofia e a metafísica.
A TriGeo surge para fazer diferença no atendimento e relacionamento com clientes e fornecedores.
Veja mais sobre a TriGeo Engenharia Geotécnica na página da empresa em nosso site

por Célia Neves e Eduardo Salmar

Parede de painéis monolíticos de solo-cimento



A  construção  com  terra  têm mostrado  sua  versatilidade  através  dos  séculos.  Em  todos  os recantos  do  mundo,  as  técnicas  construtivas  surgiram  em  quase  todas  as  civilizações  do passado  e  expandiram-se  através  das  invasões  e  colonizações,  comuns  na  história  da Humanidade.

As  técnicas  nativas  uniram-se  às  técnicas  trazidas  pelos  estrangeiros  e,  com variadas combinações entre elas, passaram pelas devidas adaptações técnicas e culturais para atender  às  necessidades  do  Homem  e  de  seu  Ambiente  Construído.  Os  antigos  souberam como explorar as boas propriedades da terra e utilizá-la em belíssimas construções, muitas das quais sobreviveram até a atualidade, desafiando séculos da ação abrasiva de ventos e chuva.

Figura 1 – Fortaleza de Bam – Irã
Figura 2 – Cidade de Chanchán - Peru


As  primeiras  notícias  sobre  tentativas  de  formulação  da  tecnologia  de  construção  com  terra ocorreram  no  final  do  Século  XIX,  quando  também  se  iniciaram  programas  de  investigação científica  sobre  o  assunto.  Já  no  Século  XX,  a  partir  de  promissores  resultados  obtidos  do comportamento  de  misturas  compactadas  de  terra3  e  cimento,  desenvolveram-se  também investigações sobre o uso de  terra estabilizada com aglomerantes químicos para a  fabricação de  tijolos e blocos prensados ou compactados e a execução de paredes monolíticas. No  final da  década  de  70,  o  CEPED  –  Centro  de  Pesquisas  e  Desenvolvimento,  Brasil,  iniciou  um projeto de investigação sobre o uso do solo-cimento compactado para execução de paredes de painéis  monolíticos.  O  projeto  contou  de  duas  etapas  distintas:  o  estudo  do  material  e  o desenvolvimento do sistema construtivo.

Neste projeto, o CEPED buscou definir parâmetros que assegurassem a qualidade do material com  as  características  exigidas  para  sua  utilização  em  edificações,  tais  como  resistência, durabilidade, impermeabilidade e baixa condutividade térmica.

Em seguida, iniciou a etapa de transferência da tecnologia desenvolvida através da construção de  diversas  edificações,  tanto  em  regime  de  auto  construção  como  de  administração  direta, cursos de capacitação técnica, treinamento, assessoria e assistência  técnica. Procurou avaliar os métodos  de  controle  e  os  sistemas  construtivos  desenvolvidos  e medir  a  produtividade.

Neste  período,  foram  elaborados manuais  técnicos,  cartilhas  e  textos  básicos  para  normas técnicas.

A partir das ações do CEPED  relativas à  transferência de  tecnologia, empresas de projeto e construção,  pública  e  privada,  inclusive  o  CEPED,  realizaram  diversas  obras  utilizando  o sistema de paredes de painéis monolíticos de solo-cimento.

Ao  final da década de 90, contava-se com cerca de 100.000 m2 de área construída com solo-cimento no Brasil. Realizou-se então um projeto para avaliação pós-ocupação das edificações, cujo  resultado  certificou o  uso apropriado da  técnica  construtiva,  independente da  região, do construtor e do regime de construção.

Atualmente, através de Talleres, o Projeto de  Investigação PROTERRA do CYTED/HABYTED promove  a  divulgação  e  capacitação  de  técnicas  de  construção  com  terra,  inclusive  a  de paredes monolíticas de solo-cimento, em diversos países ibero-americanos.

A TECNOLOGIA

A  técnica  de  parede  de  painéis monolíticos  de  solo-cimento  é  fundamentada  na  técnica da taipa de  pilão,  denominada  tapia  apisonado  ou  tapial  na  maioria  dos  países  de língua espanhola.

As  modificações  mais  significativas  em  relação  a  taipa  de  pilão  correspondem  ao  uso  de moldes mais  leves,  de  menores  dimensões,  a  incorporação  do  cimento  à  terra  e  menores espessuras das paredes.

O SOLO-CIMENTO

O solo-cimento corresponde a uma mistura de terra, cimento e água que pode ser empregada para execução de fundações e paredes. A mistura, com baixo teor de água (umidade ótima do solo),  é  usada  para  fabricação  de  tijolos  e  blocos  prensados,  denominados  BTC,  ou compactado em moldes para execução de paredes de painéis monolíticos.

Os solos mais adequados são os que possuem as seguintes características:

•  100% passando na peneira 5 mm
•  50% a 95% de areia
•  LL ≤ 45% (limite de liquidez)
•  IP ≤ 18%
•  ≤ 2 cm de retração no ensaio da caixa


A  mistura  dos  materiais  pode  ser  manual  ou  mecânica.  Adiciona-se  o  cimento  à  terra, destorroada  e  peneirada,  até  obter  coloração  uniforme.  Se  necessário,  coloca-se  água  aos poucos, até obter uma mistura com a umidade adequada.

A  verificação  da  umidade  da mistura  é  feita  com  razoável  precisão  pelo  teste  do  bolo,  que consiste em  tomar um punhado da mistura e apertá-la entre os dedos e a palma da mão: ao abrir a mão, o bolo deverá  ter a marca deixada pelos dedos; deixando-se cair o bolo de uma altura aproximada de 1m sobre uma superfície dura, ele deverá esfarelar-se ao chocar-se com a superfície.

A quantidade de cimento varia em função das características da terra. Desde que a terra tenha sido  previamente  selecionada,  pode-se  usar  a  proporção  de  1  volume  de  cimento  para  15 volumes de terra. A tabela abaixo indica o consumo de material para diversas proporções.

Tabela 1 – Consumo de material para solo-cimento


DESCRIÇÃO DA TÉCNICA CONSTRUTIVA

A  parede  é  executada  com  painéis,  travados  verticalmente  entre  si, moldados  no  local,  com auxílio de guias verticais, moldes e outros acessórios. Para o pé direito até 2,80 m, a espessura da parede é de 12 cm.

Figura 3 – Vista geral da construção



As guias verticais podem sem: perdidas, pois ficam embutidas na parede e são geralmente de concreto  armado;  ou  recuperadas,  pois  são  retiradas  após  a  conclusão  do  painel  e  são geralmente de madeira. No sistema de guias recuperadas, o painel executado serve como guia para o painel seguinte.


Os moldes, geralmente de madeira – laminado fenólico com 18 mm de espessura, são fixados às guias por meio de parafusos de aço, com diâmetro de 2,5 cm (1/2’).

Para construir os painéis, fixam-se duas guias verticais aprumadas, onde deslizam os moldes, presos entre si por parafusos. No espaço limitado pelos moldes e guias compacta-se a mistura de terra e cimento, em camadas com altura igual ou inferior a 20 cm até o completo enchimento do molde.

A desmoldagem é  feita  logo após a compactação, podendo o molde, em seguida, ser  fixado para  compactação  do  bloco  imediatamente  superior  ao  recém-moldado  e  assim sucessivamente, até atingir a altura total da parede.

No caso de paredes  perpendiculares  entre  si,  fazem-se  três  rasgos  verticais  no  painel executado, os  quais  servirão  de  guias;  os  dois  rasgos  externos  guiam  a molde  e  o do meio garante o encaixe responsável pela articulação do painel.

Figura 4 – Guias verticais  Figura 5 – Molde e guias  Figura 6 – Compactação



A  cura  do  solo-cimento  é  feita  molhando  a  parede  3  vezes  ao  dia,  durante  7  dias  após executada.

A fundação também pode ser executada com solo-cimento em sapata corrida. Abre uma cava ao  longo  de  toda  parede  e  compacta  a mistura  na  cava,  em  camadas  com  altura  igual  ou inferior a 20 cm.

TALLER DE PAREDES DE PAINÉIS MONOLÍTICOS

O  PROTERRA  foi  convidado  a  participar  da  III  Jornada  Taller  de  Transferencia  Tecnológia 2003. Aportes para el Hábitat Popular em conjunto com a Rede XIC.C.- Red  Iberoamericana sobre Transferencia y Capacitación Tecnológica para  la Vivienda de  Interés Social,  realizado no período de 27 a 30 de agosto de 2003, em Assunção. Paraguay. A participação do Proterra consistiu  na  apresentação  de  uma  palestra  com  o  tema  “Seleção  de  solos  apropriados  para construção  com  terra”  e  a  atividade  de  capacitação  através  da  construção  de  um muro,  em esquina, com o sistema de painéis monolíticos de solo-cimento.

A Taller foi realizado com dois instrutores, membros do PROTERRA, especialistas em paredes de  painéis  monolíticos  de  solo-cimento.  Assistiram  cerca  de  300  pessoas  principalmente professores e estudantes universitários e agentes comunitários.

Figura 7 – Compactação do painel monolítico  Figura 8 – Acabamento no topo



Durante  três dias, os participantes  fizeram moldes,  prepararam e  compactaram a mistura de solo-cimento  nos moldes  e  se  interaram  de  vários  procedimentos  próprios  da  construção  de painéis monolíticos.

Em seguida, um professor universitário, estimulado e devidamente capacitado durante o taller, com a colaboração de seus alunos e membros de uma comunidade, construiu uma casa para crianças abandonadas no distrito de Luque, próximo da cidade de Assunção, Paraguay.

OUTROS TALLERES REALIZADOS POR PROTERRA

Este  foi  a  primeira  experiência  do PROTERRA,  desde  sua  criação  em  outubro  de  2001,  em taller  para  capacitação  em  arquitetura  e  construção  com  terra.  A  partir  desta  data,  foram realizados  outros  programas  de  capacitação  em  mais  oito  talleres.  Os  talleres  que apresentaram  a  técnica  de  parede  de  painéis  monolíticos  de  solo-  cimento  ocorreram  nos seguintes eventos:

Evento: Taller de Aplicación de la Tecnología de Muros de Suelo-Cemento Apisonado
Data: junho 2004
Local: Assunção, Paraguay
Modalidade: taller de capacitação
Técnicas apresentadas: parede de painéis monolíticos de solo-cimento
Nº assistentes: 30 participantes, representantes de comunidades organizadas
Nº instrutores: 2 membros do PROTERA
Resultados:  pessoas  capacitadas  construíram  muros  e  arquibancadas  (graderías)  nas comunidades

Evento: Seminario Taller de Construcción con Tierra
Data: junho 2004
Local: Santa Fé, Argentina
Modalidade: seminário com palestras diversas e taller de capacitação
Técnicas apresentadas: parede de painéis monolíticos de solo-cimento,  tijolo de solo-cimento, adobe, técnica mista e práticas para seleção de solos em campo
Nº  assistentes:  30  participantes,  profissionais,  professores  e  estudantes  universitários  e pessoas da sociedade local
Nº instrutores: 5 membros do PROTERA
Resultados: As  técnicas de  construção  foram detalhadas e  distribuídas em  forma de manual prático  a  todos  os  participantes;  assim  como  as  conferências. O manual  prático  está gravado no CD do 3er Seminario Iberoamericano de Construcción con Tierra no arquivo com título Sem Taller – Santa Fe – Arg – Jun 04 – PROTERRA – UNT.pdf

Figura 9 – Taller em Assunção, Paraguay  Figura 10 – Taller em Santa Fe, Argentina



Evento: X ULACAV – Encontro Universitário Latinoamericano de Cátedra de Vivenda
Data: novembro 2004 Local: Pelotas, Brasil
Modalidade: palestras e taller de capacitação
Técnicas apresentadas: parede de painéis monolíticos de solo-cimento, técnica mixta (fajina) e cobertura com capim Santa Fé
Nº assistentes: 60 participantes, principalmente estudantes universitários
Nº instrutores: 4, sendo 2 membros do PROTERA

Os  outros  eventos,  realizados  em  Belo  Horizonte  e  São  Miguel  das  Missões,  Brasil, Montevidéu,  Uruguay,  Buenos  Aires,  Argentina  e  San  Salvador,  El  Salvador,  apresentaram outras técnicas construtivas, inclusive a tapia.

A  IMPORTÂNCIA  DO  TALLER DE CAPACITAÇÃO NO  PROCESSO DE  TRANFERÊNCIA DE TECNOLOGIA SEGUNDO A EXPERIÊNCIA DO PROTERRA

No intuito de sistematizar o processo de transferência de tecnologia, o PROTERRA agrupa as instituições e profissionais envolvidos em arquitetura e construção com  terra em duas classes específicas:  os  produtores  de  tecnologia  e  os  consumidores,  ou  usuários,  com  as  seguintes características:

•  produtores  de  tecnologia  são  todos  os  profissionais  e  instituições  que  atuam  na  área  de pesquisa e ensino, cujo interesse maior é conhecer os objetivos, metodologias adotadas e resultados das pesquisas realizadas, ou seja, a Ciência;

•  consumidores de  tecnologias correspondem aos setores públicos, privados e usuários de uma maneira geral cujo interesse é utilizar os produtos desenvolvidos em beneficio próprio ou da comunidade.

Em ambas as classes, a  transferência de  tecnologia ocorre através de ações que podem ser agrupadas  como  atividades  para  difusão  e  para  aplicação,  tanto  das  técnicas  construtivas como do conhecimento científico.

Entre  os  diversos  instrumentos  empregados  no  processo  da  transferência  de  tecnologia, notadamente  das  técnicas  construtivas  inclusive  o  projeto  (diseño),  o  Taller  pode  ser caracterizado como um forte e eficaz instrumento de difusão.

O  PROTERRA  tem  praticado  diversas  modalidades  de  taller:  capacitação  em  apenas  uma técnica construtiva, com um ou mais  instrutores; capacitação em várias  técnicas com apenas um  instrutor; ou capacitação em várias  técnicas construtivas com um ou mais  instrutores para cada técnica. O tempo do evento também varia: desde um até cinco dias.

Em geral, o PROTERRA  adota a  seguinte prática em  talleres:  faz uma apresentação  teórica sobre a técnica, distribui um manual prático para os assistentes e faz a prática em campo. Para isso,  agrupa  os  participantes  em  equipes  que  são  capacitados  em  uma  determinada  técnica construtiva  durante  um  período;  a  cada  determinado  período,  a  equipe  passa  para  outro instrutor  e  outra  técnica;  ao  final,  reúne  todos  os  assistentes,  discutem-se  as  dúvidas, complementa as  informações  iniciais, se necessário, e avalia o benefício do  taller. O manual prático é preparado para divulgação em publicação, impressa ou digitalizada.

É  impossível  definir  a melhor  prática  de  taller.  É  necessário  considerar  as  necessidades  da região, o público, a  infra-estrutura e outros  recursos disponíveis. Em geral, os  instrutores, em função das variadas condições, definem o melhor procedimento a adotar.

O  Taller  tem  resultado  pontual,  para  um  público  restrito  (os  assistentes),  ao  contrário  de publicações – manuais e cartilhas, entre outros – que também são instrumentos de difusão mas que atingem um público maior, ultrapassando fronteiras. No entanto, o taller produz resultados gratificantes.  Supõe-se  que  a  intimidade  desenvolvida  espontaneamente  entre  o  agente  de transferência (instrutor) e o consumidor (assistente) gera um compromisso pessoal que facilita a implantação futura e segura da  tecnologia, muitas vezes com assistência técnica em caráter informal através de consultas e intercâmbio de informações.

  1. Célia Neves - Engª    Civil,    Mestre    em    Engenharia    Ambiental    Urbana,    Coordenadora    do    Projeto    de    Investigação PROTERRA/HABYTED/CYTED; pesquisadora do CEPED - Centro de Pesquisas e Desenvolvimento; Universidade do Estado da Bahia; Km 0 da BA 512; 42800-000 Camaçari - BA – Brasil Tel: (55 71) 379 3506 Fax: (55 71) 632 2095 cneves@superig.com.br

2. Eduardo Salmar - Arquiteto, Mestre em Artes Plásticas, professor em Sistemas Construtivos da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da     UNIMEP     -     Universidade     Metodista     de     Piracicaba;     membro     do PROTERRA/HABYTED/CYTED; diretor da empresa ArquiTerra – projetos e construções bioclimáticas; Rua Mata da Tijuca, 129 - 13083-721 – Campinas – SP – Brasil Tel: (55 19) 8126.3230 - esalmar@gmail.com

3. Na Arquitetura  e Construção  com  Terra  –  denominação  dada  a  toda  produção  arquitetônica  que  emprega  o  solo como o principal material de construção – ele recebe denominações diversas  tais como  terra crua,  terra sem cozer, terra para construir, porém, o usual e adotado neste  trabalho, é o  termo  terra, que corresponde ao solo apropriado para construção. O termo solo é usado principalmente quando envolve classificações e caracterizações, que também são  adotadas  em  outros  campos  da  Engenharia,  assim  como  são  os  termos  como  solo-cimento,  solo-cal  e  solo estabilizado, entre outros.

Comentários

Mais artigos

Piscinões verdes contra as enchentes

O colapso do viaduto e a engenharia brasileira

Impõe-se a proibição do rebaixamento forçado do lençol freático em determinados contextos geológicos urbanos

Piscinões verdes contra as enchentes

Enchentes: Taxa de Permeabilidade ou Cota de Acumulação/infiltração por Lote?

Substitutivo ao plano diretor inova positivamente

Obras viárias: cortes, aterros, túneis ou viadutos?

Aterro de Alta Performance (AP) - 5 - Taludes, Muros de Arrimo, Barragens e Aterros Sanitários e de Resíduos.

Importância do Programa de Investigações Geológicas Geotécnicas (IGGs)

Aterro de Alta Performance (AP) - 4 - Fundações Rasa

Aterro de Alta Performance (Aterro de AP) - 3 - Obras de Piso Industrial

Aterro de Alta Performance (AP) - 2 - Obras de Pavimentação

Aterro de Alta Performance (AP) - 1

As chuvas, e o medo, chegaram.

Obras de Terraplanagem: O patinho feio da geotecnia

São Paulo: Plano Diretor demanda carta geotécnica

O esvaziamento tecnológico do estado brasileiro e suas terríveis consequências.

Uso Inadequado de Maquinas de Terraplanagem

Situações de cunho geotécnico a ser preventivamente investigado na aquisição/utilização de um terreno

O Prefeito Haddad e as Enchentes

As chuvas chegaram. Como estamos?

Os novos prefeitos e as enchentes

O lixo atrapalha, mas não é o vilão das enchentes

Empreendimento de médio e grande portes: A obrigatoriedade de elaboração de um plano de gestão geológico-geotécnica

Entulho: é preciso consumi-lo em grandes quantidades, o que implica estimular seu uso bruto ou semi-bruto

A enorme importância da camada superficial de solos para a engenharia e a sociedade brasileiras

Imperioso trazer arquitetos e urbanistas para o debate geotécnico

Áreas de Risco: A Lei nº 12.608 e os limites dos alertas pluviométricos

Enchentes: Governador, é preciso virar a mesa

Um pouco de luz para os serviços de recuperação e conservação das estradas vicinais de terra

As calçadas do Sr. Prefeito e as enchentes

Não é com obras e com alertas pluviométricos que as tragédias das áreas de risco devem ser enfrentadas

Responsabilidade Sobre Deslizamentos de Solos e Inundações.

Áreas de risco, geologia e arquitetura

Enchentes: Mais uma vez culpar a natureza?

Riscos de Ruína – Sempre Presente – em Engenharia de Solos

Responsabilidades dos Riscos de Desastres ou Tragédias

Enchentes: Reter as águas de chuva em reservatórios domésticos e empresariais

Trincas nas Edificações

Enchentes: Ajardinem suas calçadas

Enchentes: criem bosques florestados, não tirem a serapilheira

Projeto de Loteamento Carece de Engenharia Geotécnica

As mudanças ao código florestal aprovadas na Câmara e a questão urbana

Relação entre movimentos de massa e a presença de água

É o fenômeno, estúpido!

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

Tipos de Escorregamentos e Importância de Estudos Geotécnicos

Tragédias geológicas: o objetivo deve estar na eliminação do risco

Serra do Cafezal: O atraso tecnológico da BR 116

Áreas de risco, geologia e urbanismo

Drenagem Geotécnica – Solução em Deslizamentos de Solos e Erosão

As tragédias serranas, o código ambiental e o espaço urbano

Muros de Arrimo - Os Mitos e Verdades

Tragédias: A tendência é o aumento da frequência e da letalidade

As tragédias e o essencial da dinâmica evolutiva da escarpa da serra do mar

Tragédia climática de janeiro de 2011 - minhas impressões

Seca no Pampa

As Chuvas Causam os Problemas?

Todas as áreas de topografia suave podem ser consideradas seguras?

Cursos Livres de Engenharia Civil Geotécnica - Uma Necessidade

Engenharia Geotécnica e Geologia de Engenharia: responsabilidades distintas, mas indissociáveis

Novamente as chuvas serão as culpadas?

Geotecnia brasileira vive a ditadura da solução

Curso: Solo grampeado - Projeto e Execução

O TAV (Trem de Alta Velocidade) e sua segurança operacional

Deslizamentos de Solos - Descaso Recorrente

Áreas de risco: a remoção é a solução mais justa

Aspectos essenciais na elaboração de uma carta geotécnica

Olhe à sua volta, há um geólogo por aí

A patologia existente por detrás dos deslizamentos de solos

Áreas de risco: quando desocupar, quando consolidar

Deslizamentos de Solos e as Chuvas – Soluções de Biogeotecnia

Saídas para evitar novas catástrofes em 2011

Carta aberta às autoridades públicas: Deslizamentos e enchentes, que em 2011 as tragédias não se repitam

Áreas de Riscos de Deslizamentos - Não Construir ou Como Construir?

Vidas soterradas. Até quando? Existem soluções?

Enchentes: O conhecimento das causas deve orientar as soluções

Como Enfrentar Problemas de Deslizamento

O mito dos piscinões na cidade de São Paulo

Muro de Arrimo Ecológico

Governador Serra, peça ao IPT um plano alternativo de combate às enchentes

Agora é Lei: Ensaios Triaxiais e ATO - Taludes, Muros de Arrimo e Contenções

A água subterrânea está se tornando casa da mãe joana.

O que é uma nascente? Como identificá-la?

Uma estratégia de governo para a Serra do Mar

Bioengenharia dos Solos na Estabilização de Taludes e Erosões

Carta geotécnica: Um salto à frente no estatuto das cidades.

Acidentes em obras de engenharia. Há como evitá-los

Lições de Santa Catarina. Autoridades, queiram por favor anotar

Arquitetura, urbanismo e geologia.

Parede de painéis monolíticos de solo-cimento

Será mesmo o lixo o vilão das enchentes?

Os 3 postulados sagrados da geologia de engenharia

A importância da camada superficial de solos para a sociedade brasileira

Estabilização de taludes: o perigoso

Geotecnia : O papel e as enormes responsabilidades das investigações geológicas

A atual estratégia de combate a enchentes urbanas na região metropolitana de São Paulo é adequada?

Deslizamentos de Taludes e Contenção – Obrigatoriedade de Ensaios e ATO

Enchentes e escorregamentos seguem matando. E daí?

Solução Inédita para Tratamento de Solos Moles no Brasil

Suspeita-se que Retaludamento em Aterro Causa Risco à Rodovia

Case: Uso de gabiões caixa e saco para contenção de parede externa de galpão

Importância da Assessoria Técnica à Obra (ATO) de Muros de Arrimo e Contenção

Contenção em solo reforçado

Visão Holística Sobre Problemas de Engenharia Geotécnica em Áreas de Risco de Deslizamento

A Patologia Geotécnica

Recalques por Rebaixamento do Lençol Freático

Executando aterros sem patologia

Tipos de solo e investigação do subsolo: entenda o ensaio a percussão e seu famoso índice SPT

Acidente na Linha 4 do Metrô em SP: Uma Grande Oportunidade Social para a Engenharia Geotécnica

Conheça os três tipos principais de solo: areia, silte e argila

Como são Desenvolvidos os Projetos Geotécnicos

Contenção em Solo Grampeado

Escorregamento de Taludes e Encostas